Top O Lisboeta Observador
quarta-feira, Julho 23, 2014
Clérigo islâmico muito explícito!


Clérigo islâmico: Não lutamos contra os judeus por causa da Palestina, mas porque Deus assim ordena.

Está agora esclarecido?

Etiquetas: , , ,

Representante palestino na ONU explica porque Israel não comete crimes de guerra.


O representante Palestino na ONU reconhece que Israel não comete crimes de guerra e que o Hamas sim o faz! 


Etiquetas: , ,

segunda-feira, Julho 21, 2014
Mais um troféu para a minha colecção.


Eu Vladimir Putin sou um grande F.P... e tenho orgulho nisso, sabiam?

Etiquetas: , , , ,

sexta-feira, Julho 11, 2014
Prontos...Eu prometo um ministério para todos!



António Costa promete à gente da cultura um Ministério da Cultura, um Ministério do Teatro, um Ministério do Cinema, um Ministério da Música, um Ministério do Bailado e um Ministério da Ópera.


Mas votem em mim...OK?  Adoro a cultura!!!


Etiquetas: , , , ,

quarta-feira, Junho 25, 2014
Não ao branqueamento de Sócrates.




Manifesto em defesa de Seguro diz que governo de Sócrates foi um desastre

Por Luís Claro

publicado em 25 Jun 2014 - 05:00

Os ex-dirigentes Henrique Neto, Ventura Leite, Rómulo Machado e Gomes Marques criticam declaração dos históricos do PS

Um grupo de militantes do PS veio responder à declaração dos notáveis do partido a pedir "uma rápida clarificação no PS". O apelo, com a assinatura de Jorge Sampaio, Manuel Alegre, Almeida Santos e Vera Jardim merece uma resposta dura num texto, a que o i teve acesso e que publica na íntegra, intitulado "Sejamos consequentes", em que a governação de José Sócrates é classificada como um "descalabro" e é claro o apelo aos socialistas para que não deixem voltar ao poder "os mesmos que no PS conduziram Portugal para o desastre".
São quatro os socialistas - Henrique Neto, Ventura Leite, Rómulo Machado e António Gomes Marques - que dizem ter recebido com "surpresa" a declaração dos notáveis, que consideram ser "a favor de António Costa". Alguns destes socialistas ocuparam cargos de relevo no PS, como Henrique Neto, que foi dirigente do partido e deputado, e Ventura Leite, que foi deputado nos tempos de Sócrates, mas entrou em ruptura com o partido por discordar da governação do então primeiro-ministro. Na resposta aos notáveis, o grupo de ex-dirigentes lamenta que "estas quatro personalidades" do PS se tenham mantido "quase sempre caladas" durante os anos em que Sócrates governou o país. "Nesse período sempre verificámos com angústia, como certamente muitos outros portugueses e socialistas, que o interesse nacional andou a reboque dos interesses partidários do grupo no poder, sem que isso tivesse conduzido a uma posição tão relevante como a que agora foi tornada pública."

CRÍTICAS A SÓCRATES Com a "plena consciência" de que estão a tomar uma "posição impopular", estes militantes socialistas defendem que o "mau governo" da coligação PSD/CDS não pode fazer esquecer que não foi a direita que "preparou o terreno para os cortes salariais, para as privatizações feitas sem critério e para o descrédito das instituições". A culpa, assumem, foi dos governos do PS: "Fomos nós socialistas que o fizemos e quanto mais rapidamente o compreendermos melhor será para o PS e para Portugal."
Os erros cometidos nos tempos de Sócrates são para estes socialistas razão mais que suficiente para impedir o regresso ao poder dos "mesmos que conduziram Portugal para o desastre". Isso seria, dizem, um "crime contra a Nação Portuguesa e um ultraje aos princípios e valores do Partido Socialista".
As críticas destes ex-dirigentes do PS à governação de Sócrates são antigas. Joaquim Ventura Leite protagonizou, em 2009, um momento pouco habitual no parlamento com um deputado socialista a pedir ao governo que invertesse o rumo, sob pena de conduzir o país ao "desastre" e ao "descrédito" no plano internacional.
O empresário Henrique Neto foi das vozes mais críticas, a nível interno, nos tempos de Sócrates. Em 2011, o ex-deputado pediu mesmo a demissão de Sócrates da liderança para permitir uma renovação a tempo das eleições legislativas desse ano. Rómulo Machado foi dos poucos que, no congresso de 2011, levantaram a voz contra Sócrates para o acusar de ter levado o país à bancarrota.
Os quatro militantes lamentam ter sido "ignorados" e "frequentemente vilipendiados, apenas por denunciar os erros, os jogos de interesses e os estragos que a governação do PS estava a infligir a Portugal". Três anos depois de Sócrates ter saído do governo, o grupo de militantes entra na disputa entre Costa e Seguro para tentar evitar o regresso dos que acusam de ter levado Portugal para "os braços da dependência internacional e para o sacrifício de milhões de portugueses". 

Fonte: Jornal I  


Por Jornal i
publicado em 25 Jun 2014 - 05:00 

Foi com alguma surpresa que na passada sexta-feira lemos em dois jornais, “Público” e i, que quatro notáveis militantes do Partido Socialista – Jorge Sampaio, Manuel Alegre, Vera Jardim e Almeida Santos – tomaram uma posição pública na actual contenda partidária do PS, pedindo urgência na solução do diferendo, posição que, intencionalmente ou não, é nas actuais circunstâncias favorável à candidatura de António Costa, mas dizendo, apesar de tudo, o que deveria ser para todos óbvio: “um partido não existe para si mesmo” e que “a prioridade é sempre Portugal”.

É esta frase óbvia que nos obriga a publicar este texto. Porque dificilmente haveria um outro tempo em que a frase tivesse tido maior oportunidade em ser usada do que durante os seis trágicos anos do descalabro económico, financeiro e social, que foi a governação de José Sócrates. Infelizmente, estas quatro relevantes personalidades do Partido Socialista mantiveram-se quase sempre caladas durante esse período, ou pior, colaboraram com as diatribes do então secretário-geral e primeiro-ministro, incluindo actos pouco democráticos, como alguns dos protagonizados pelo Dr. Almeida Santos. Nesse período sempre verificámos com angústia, como certamente muitos outros portugueses e socialistas, que o interesse nacional andou a reboque dos interesses partidários do grupo no poder, sem que isso tivesse conduzido a uma posição tão relevante como a que agora foi tornada pública.

Temos a plena consciência de que esta nossa tomada de posição é impopular em muitos sectores, fora e dentro do PS, na justa medida em que nos habituámos a venerar acriticamente os nossos maiores, aqueles que com maior ou menor razão e justiça se guindaram ao topo do poder político em Portugal. Fazemo-lo porque, como alguns outros socialistas, ganhámos esse direito durante esses seis anos, porque como militantes socialistas fomos ignorados nas nossas críticas, frequentemente vilipendiados, apenas por denunciar os erros, os jogos de interesses e os estragos que a governação do PS estava a infligir a Portugal. Escrevemos dezenas de textos, participámos em dezenas de programas de rádio e de televisão e, como alguns outros, sofremos o silêncio cúmplice de quem tinha a obrigação e o poder de evitar que o PS conduzisse Portugal para os braços da dependência internacional e para o sacrifício de milhões de portugueses.

Sejamos sérios, o actual governo de maioria PSD/CDS é um mau governo, que não sabe ou não quer evitar mais sacrifícios aos portugueses, mas não foi este Governo que preparou o terreno para os cortes salariais, para as privatizações feitas sem critério e para o descrédito das instituições. Fomos nós socialistas que o fizemos e quanto mais rapidamente o compreendermos melhor será para o PS e para Portugal. Inversamente, fazer voltar ao poder político os mesmos que no PS conduziram Portugal para o desastre, é um crime contra a Nação Portuguesa e um ultraje aos princípios e valores do Partido Socialista.

Lisboa, 24 de Junho de 2014

António Gomes Marques
Henrique Neto
Joaquim Ventura Leite
Rómulo Machado

Etiquetas: , , , , ,

segunda-feira, Junho 23, 2014
Selecção no buraco ou o buraco da selecção?


Por Henrique Monteiro

terça-feira, Junho 17, 2014
Alemanha em maus lençóis


Por Henrique Monteiro


Etiquetas: , , , ,

sexta-feira, Junho 06, 2014
O Dia D - A Batalha da Normandia


O dia 6 de Junho de 1944 foi um dia decisivo para o desfecho da Segunda Guerra Mundial, com o desembarque massivo de tropas Aliadas em Omaha Beach, na Normandia. Em superioridade numérica e com a vantagem da surpresa do seu lado, a invasão terrestre marcou o início do fim do Terceiro Reich e a libertação da Europa ocupada.
Muito se ficou a dever a todos os que se sacrificaram há 70 anos naquelas praias da Normandia. Graças a eles e a muitos como eles em diversas frentes a Europa venceu o monstro nazista.
Deixo aqui uma sugestão de leitura para compreender melhor esta data e o drama da Segunda Guerra Mundial.
O Dia D de Antony Beevor 


________oOo________


Google divulga fotos e documentos sobre 'desembarque da Normandia'
Aceda por aqui à exposição cujo conteúdo é, em grande parte, extraído do espólio do Imperial War Museums.


Etiquetas: , , , ,

quarta-feira, Junho 04, 2014
Há 25 anos o massacre em Tiananmen

Vinte cinco anos depois da repressão do movimento pró-democracia da Praça de Tiananmen, continua sem se saber ao certo quantas pessoas morreram quando os soldados chineses abriram fogo sobre civis desarmados nas ruas de Pequim e em pelo menos mais 180 cidades chinesas. O que é certo é que a China continua a querer apagar da história este massacre cuja imagem mais icónica é a de um homem que se coloca em frente a uma fila de tanques para evitar que estes avancem. 

Fonte: Observador  
The New York Times ; Amnistia Internacional  ; Jornal de Notícias
O Lisboeta Observador

Etiquetas: , , , , , ,

sexta-feira, Maio 30, 2014
grupo Portucel Soporcel no Wall Street Journal

Publicado em 19 de Maio no site do Wall Street Journal

gPS is the overall winner of Business of the Year Award 2013 and is one of Portugal's leading players on the international stage in the paper manufacturing sector. Investment in good forest husbandry has given gPS an advantage over its competitors. 


Etiquetas: , ,

quinta-feira, Maio 29, 2014
Biografia de Jorge Coelho que ninguém comenta...

                                             Fernando Esteves

“Parece que Macau é um poço de segredos”
MAIO 19, 2014
Ao escrever a biografia de Jorge Coelho, Fernando Esteves revisitou Macau do final dos anos 1980. E percebeu que, quase 25 anos depois, o escândalo do fax e a teia de poder de Mário Soares ainda deixam mais perguntas que respostas.
“Jorge Coelho, o Todo-Poderoso”, de Fernando Esteves, não é um livro sobre Macau. É a biografia não autorizada de Jorge Coelho, para a qual o socialista deu o testemunho sob o compromisso de não a ler previamente ou interferir na sua construção. Mas a passagem do político português pelo território – entre 1988 e 1991 – torna obrigatório o regresso a um dos episódios que recolocou Macau nas páginas dos jornais portugueses: o escândalo do fax (1990) que levou à demissão do então Governador, Carlos Melancia, e que aqui quebra um silêncio de décadas.
Neste livro que estará à venda em Macau na Livraria Portuguesa, o editor de política da revista portuguesa Sábado, mostra ainda como Jorge Coelho, que ganhou a fama de “bombeiro” em Macau, se tornou num dos mais poderosos políticos portugueses.
-  Apesar de ser uma biografia parece ter tido o cuidado de retratar o estilo de vida de Macau no final dos anos 1980. Porquê?
Fernando Esteves – Essa é uma preocupação em todo o livro. Decidi partir do princípio que as pessoas não conheciam a realidade macaense, assim como não conheciam em detalhe a história do PS. Mas com Macau tive uma preocupação acrescida, pois realmente as pessoas não conhecem. Antes [de escrever o livro] falei com muitas pessoas, com amigos meus, pessoas cultas e informadas e a única coisa que elas sabiam sobre Macau era a história do fax. E sabiam-na mal. Não sabiam como é que o fax tinha ido parar ao [semanário]  “O Independente”, não sabiam o que estava em causa, que tinha havido um problema com uma empresa alemã, etc. 
- E qual foi a participação de Jorge Coelho nesse episódio?
F. E. – Foi razoavelmente residual. Ele é o homem que avisa Carlos Melancia através de um telefonema que a história está na capa d’ “O Independente”. O segundo telefonema é de Stanley Ho…
- O que é sintomático…
F. E. – O que é sintomático. Ele oferece-se para o ajudar dizendo-lhe que pode falar com o Governo chinês. Mas nessa altura Carlos Melancia achava que tinha a proteção de Mário Soares [então Presidente da República]: foi ele que o nomeou para o cargo, era amigo e [ele, Melancia] conseguia financiamentos para o Partido Socialista através destas empreitadas.
- Como assim?
F. E. – Não havia um favorecimento directo, digamos assim. Neste caso a Weidlepan pagou 50 mil contos [hoje mais de 6 milhões de patacas] para ser admitida num concurso contra outras empresas que também tinham pago para entrar. Esse dinheiro – embora isso não esteja provado – destinar-se-ia a financiar a campanha eleitoral de reeleição de Mário Soares [em 1991]. Mário Soares não é inocente nesta história. Não é por acaso que Carlos Melancia o acusa de traição. É que na sequência do episódio ele vai a Belém [a sede da Presidência da República portuguesa] absolutamente convencido de que sairia de lá com um reforço de confiança por parte de Soares. E o que ele lhe diz foi: “Agora só estou a pensar na minha reeleição e você é um elemento tóxico. Portanto ou se demite ou eu demito-o. E era mais digno se fosse você a demitir-se”. E Carlos Melancia acaba por se demitir.
- Carlos Melancia, que deu o seu testemunho para o livro, falou pela primeira vez sobre este caso.
F. E – Há três revelações politicamente relevantes neste capítulo. O Carlos Melancia ter aceitado falar – nunca tinha falado sobre o assunto – e acusar Mário Soares de traição. O papel de Soares em todo este episódio tem sido continuamente alvo de limpeza em termos comunicacionais. Só há uma pessoa em Portugal que investigou este caso a sério, que foi Joaquim Vieira e pagou o preço por tê-lo feito [foi afastado do semanário Expresso]. Afrontar o Mário Soares em Portugal é crime. Mário Soares tem muito boa imprensa, muito poder e os jornalistas nunca tiveram coragem de o afrontar.  A terceira revelação é o facto de o Carlos Melancia dizer que o dinheiro – os 50 mil contos – foram devolvidos à Weidlepan pelo Rui Mateus [um dos fundadores do Partido Socialista].
- O Joaquim Vieira [também autor da biografia de Mário Soares] disse que ao investigar os episódios passados em Macau sentiu que eram ainda obscuros. Neste livro também sentiu essa relutância?
F. E. – Sim. Parece que Macau é um poço de segredos. As pessoas sabem todas muito mais do que querem dizer. Ou melhor, do que podem contar. O Jorge Coelho disse-me: “Sei tudo o que se passou [do escândalo do fax], mas não lhe vou contar”. Outras pessoas que sabem a história também não quiseram contar. E pergunto-me…
- Quem estão a proteger?
F. E. – Sim, quem estão a proteger. De quem têm medo. Por norma quando passa muito tempo as verdades históricas começam a vir ao de cima. No entanto, o que temos são ainda suposições. Não posso dizer com toda a propriedade – assim como Joaquim Vieira não o faz – que os 50 mil contos foram para Mário Soares e para a reeleição. Existem fortíssimos indícios de que isso tenha acontecido, mas também pode não ter sido. Não há ninguém que tenha a coragem de o dizer. Nem o Carlos Melancia que falou pela primeira vez sobre o caso. O que é muito sintomático sobre a forma como as pessoas se relacionam com o seu passado no território.
- Nas entrelinhas do que diz parece perceber-se que a pessoa que querem proteger é Mário Soares.
F. E. – É Mário Soares, acho que sim. Mário Soares é o ‘paterfamilias’ do PS. A partir do meio do primeiro mandato o único interesse dele é a reeleição. Ponto. Ele é uma pessoa que vinha de famílias abastadas. Não é pessoa que procure dinheiro. Mas precisava de dinheiro para se reeleger. E há outro pormenor entretanto – ele foi convencido pelas pessoas que o rodeavam que com a privatização da comunicação social [em Portugal] precisava de um grupo de media para o ajudar na reeleição. De ter boa imprensa. E acabou por patrocinar de forma discreta a criação de um grupo de media [Emaudio]. Procurou investidores como Rupert Murdoch [da News Corporation] e Robert Maxwell [do Mirror Group]. E depois aparece o investimento na TDM também… [a possibilidade de entrada de capital no canal de televisão].
- Que acaba por cair…
F. E. – Porque o Maxwell achou que havia coisas que não eram transparentes e decidiu sair. Percebeu que era um projecto político destinado a financiar uma campanha eleitoral.
- Refere as circunstâncias em que Jorge Coelho foi essencial em Portugal. Por exemplo, na escolha de José Sócrates como candidato do PS antes das eleições de 2005. Em Macau é possível saber o que poderia ter sido diferente se não fosse Jorge Coelho?
F. E. – Acho que a passagem dele pelo Governo de Macau não é decisiva. Apesar de tudo foi uma figura secundária. Teve numa pasta importante [secretário-adjunto para a Educação e Administração Pública], mas não essencial e esteve pouco tempo. Não acho que tenha deixado uma marca indelével no território como deixou em Portugal. Cimentou uma aura de competência e combatividade, importante para ganhar espaço no PS. Veio para cá como militante anónimo e voltou como membro do Governo [ministro-adjunto de António Guterres].
- Foi mais Macau que fez por ele do que o contrário?
F. E. – Sim. Macau ajudou mais Jorge Coelho, do que ele Macau.
- Como Jorge Coelho recorda Macau?
F. E. – Há aqui um vínculo inexplicável. Todas as pessoas que entrevistei sobre Macau sentem uma nostalgia enorme sobre o tempo que passaram aqui ou acompanham essa nostalgia com um desejo fortíssimo de voltar. Jorge Coelho não deseja voltar até porque a vida dele mudou muito, mas fala com um carinho brutal e saudade enorme. Acho que o território deve ter algum segredo porque marca de forma brutal as pessoas. Aliás, um dos capítulos fala sobre a subida do António Guterres ao poder em 1995 e quando se forma o que na altura se designou “Grupo de Macau”. Um conjunto de pessoas que passou pela administração de Macau e que depois “contaminou” todo o primeiro governo de Guterres.
- Foram quatro ministros…
F. E. – Foram quatro ministros, mas também secretários de Estado, chefes de gabinete, assessores… Toda a administração estava carregada de pessoas que vieram de Macau. Há ali laços de solidariedade… Nem sequer digo no sentido depreciativo. Não estou a dizer que seja um lobbyorganizado. O que acontece é que se criaram laços de solidariedade tão fortes que as pessoas quando precisavam de escolher entre duas figuras para um lugar escolhiam a que esteve no território pois havia aqui uma espécie de irmandade.
- Entrevistou as pessoas de Macau, mas nunca veio cá?
F. E. – Nunca. Aliás, tem sido muito curioso estar cá [o jornalista veio acompanhar Cavaco Silva]. Ontem passei à frente do antigo Palácio do Governador. Abro o capítulo sobre Macau com um episódio épico da passagem do Jorge Coelho por aqui, que cimentou a alcunha dele de “bombeiro”. É uma manifestação de 2500 polícias à frente do Palácio sob uma chuva tremenda. Eles manifestavam-se pelo facto de os outros funcionários públicos terem sido aumentados e eles não. O Governo entrou em pânico e ninguém teve coragem de encarar a multidão. Aquilo estava muito complicado. Os polícias ameaçavam invadir o Palácio. Entretanto as autoridades chinesas já tinham uma força de intervenção pronta a entrar no território e é Jorge Coelho que salva a situação. Ele estava a passar pelo Palácio a caminho de casa e eles falam-lhe da possibilidade de os chineses irem lá limpar aquilo [um representante dos chineses no território disse que estavam 5000 militares na fronteira à espera de avançar]. E ele diz: “No momento em que deixarmos que os chineses venham aqui, a nossa presença deixa de fazer sentido. Estamos a admitir que não somos capazes de administrar o território. Vamos ter de ser nós a resolver”. Então vai para a frente do Palácio, sobe a um carro com um megafone [e tradutor ao lado] e começa aos berros naquele estilo bélico dele e quando acabou de falar vê que a multidão dispersou.
- Tal como Jorge Coelho outras jovens promessas do PS como António Vitorino e Maria de Belém passaram por Macau. Macau é como um propulsor? Teve o efeito de fazer com que alguém que chegava como anónimo saísse como membro do Governo?
F. E. – Com algumas pessoas teve. Era uma maneira de relançar a sua carreira política. Era uma questão de aventura, por outro lado ganhavam mais dinheiro e prestígio que não teriam em Portugal.
- Há o caso de Rosado Correia, ex-ministro português, que foi interceptado no aeroporto com uma mala de dinheiro de Macau que ia levar para o PS. Um dos interesses de enviar tantas pessoas para o território era o de angariar financiamento para o partido?
F. E. – Não posso dizer de forma taxativa. Mas se quiser a minha opinião, acho que sim. Mas é uma opinião que não está alicerçada em factos. Acho que o PS sabia que passava aqui muito dinheiro. [Quem vinha para cá] estava muito longe de Portugal e eles nomeavam comissários políticos que lhes pudessem fazer chegar o dinheiro.

P. S. A. 
Fonte: Ponto Final   


Etiquetas: , , , , , , ,